...

Diabetes emocional: entenda se esse tipo de diabetes realmente existe 

04/01/2024

Num mundo onde o estresse é uma constante e as emoções desempenham um papel crucial em nossa saúde, surgem conceitos intrigantes, como a chamada “diabetes emocional”. Mas afinal, o que há de verdade nessa expressão? Este artigo propõe explorar a fundo esse fenômeno, desvendando mitos e trazendo à luz os fundamentos científicos por trás dessa temática.

Ao final, esperamos que esteja munido não apenas com conhecimento, mas com uma perspectiva mais esclarecida sobre a interseção entre emoções e diabetes. Acompanhe-nos nessa jornada e descubra o que a ciência nos revela sobre a diabetes emocional. Continue a leitura e aprofunde-se nesse intrigante tema.

O que é diabetes emocional?

A expressão “diabetes emocional” tem sido utilizada de maneira coloquial para descrever um suposto vínculo entre estados emocionais e os níveis de glicose no sangue. Entretanto, é fundamental esclarecer que, do ponto de vista científico, a diabetes emocional não é reconhecida como uma categoria válida dos tipos de diabetes.

O diabetes é uma condição metabólica complexa, com classificações bem estabelecidas, como tipo 1, tipo 2 e gestacional. A ideia de uma “diabetes emocional” é, muitas vezes, uma simplificação excessiva e imprecisa, não respaldada por evidências médicas robustas.

Entendemos, no entanto, que as emoções desempenham um papel importante na saúde geral, incluindo a regulação do açúcar no sangue. O estresse, por exemplo, pode desencadear a liberação de hormônios que afetam a glicose. Mas é crucial diferenciar entre esses efeitos temporários e a presença de uma condição específica chamada “diabetes emocional”.

Como o emocional afeta a glicose?

É inegável que emoções podem influenciar o corpo de diversas maneiras. Quando experimentamos estresse, ansiedade ou outras emoções intensas, nosso organismo responde produzindo hormônios como cortisol e adrenalina. Esses hormônios podem desencadear a liberação de glicose na corrente sanguínea, preparando o corpo para a ação.

Muitas pessoas acreditam erroneamente que esse processo está diretamente ligado à diabetes, gerando a ideia de uma “diabetes emocional”. No entanto, é importante esclarecer que essa resposta fisiológica é uma parte normal da adaptação do corpo ao estresse, não uma condição crônica de diabetes.

Em resumo, enquanto as emoções podem afetar temporariamente os níveis de glicose, isso não configura uma forma específica de diabetes. É vital basear nosso entendimento em evidências científicas sólidas para promover uma compreensão mais precisa e informada sobre as interações complexas entre emoções e saúde metabólica.

O que é diabetes mellitus?

O diabetes mellitus é uma condição metabólica complexa que se caracteriza por níveis elevados de glicose no sangue, resultantes de deficiências na produção ou ação da insulina, o hormônio responsável pela regulação da glicose. Existem diferentes tipos de diabetes, sendo os mais comuns o tipo 1, o tipo 2 e o gestacional.

Por que o estresse pode levar ao diabetes emocional?

Como falamos anteriormente, o estresse é uma resposta natural do corpo a situações desafiadoras, desencadeando uma cascata de eventos fisiológicos, incluindo a liberação de hormônios como cortisol e adrenalina. Essa resposta é fundamental para preparar o organismo para reagir a ameaças percebidas. No entanto, quando o estresse é crônico e persistente, ele pode exercer efeitos significativos na regulação da glicose.

O cortisol, conhecido como o “hormônio do estresse”, desempenha um papel crucial na gestão da glicose. Ele estimula a liberação de glicose pelo fígado para fornecer energia adicional ao corpo durante períodos de estresse. Em situações normais, esse mecanismo é adaptativo e temporário.

No entanto, em contextos de estresse constante, a produção contínua de cortisol pode resultar em níveis elevados de glicose no sangue. Esse fenômeno ocorre porque as células podem se tornar menos sensíveis à insulina, o hormônio responsável pela absorção de glicose pelas células.

É crucial destacar que, embora o estresse possa temporariamente elevar os níveis de glicose, isso não implica automaticamente o desenvolvimento de uma condição chamada “diabetes emocional”. A relação entre estresse e diabetes é complexa e multifatorial, envolvendo fatores genéticos, estilo de vida e outros elementos.

Portanto, compreender essa complexidade é essencial para uma abordagem informada sobre a interação entre estresse e regulação glicêmica.

Quais são os tipos de diabetes?

Diabetes tipo 1

No diabetes tipo 1, o sistema imunológico erroneamente ataca e destrói as células beta do pâncreas, responsáveis pela produção de insulina. Esse tipo geralmente se desenvolve em idade precoce, exigindo a administração diária de insulina.

Diabetes tipo 2

Já o diabetes tipo 2, mais prevalente, está associado a fatores genéticos e estilo de vida, como dieta inadequada e sedentarismo. Nesse caso, as células do corpo tornam-se menos sensíveis à insulina, exigindo maior produção desse hormônio para manter a glicose em níveis normais. Com o tempo, o pâncreas pode não conseguir atender a essa demanda, resultando em níveis elevados de glicose.

Stress x diabetes tipo 2

“O estresse emocional, tanto o bom quanto o ruim, pode funcionar como um gatilho que aciona o diabetes do tipo 1 e 2 em indivíduos com histórico familiar para o problema”, reforça Leão Zagury, membro da American Diabetes Association e da Sociedade Argentina de Diabetes, ex-presidente da Associação Brasileira de Diabetes e professor de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).

“Durante uma situação de tensão emocional, o corpo libera hormônios, como a adrenalina e o cortisol, que têm ação contrária à insulina”, salienta o endocrinologista Marcos Tambascia.

Isso explica porque, em indivíduos predispostos, os fatores psicológicos disparam o problema. E isso acontece de duas formas distintas. Na primeira, a pessoa desenvolve o mal depois de sofrer um impacto emocional inesperado – como a perda de um ente querido ou de um emprego, por exemplo. Acredita-se, no entanto, que, nessas situações, a reserva de insulina estava no limite e, portanto, o indivíduo já estava a um passo de apresentar a disfunção. Na segunda, não há um abalo psíquico e sim um estresse crônico ou prolongado, que contribui para o surgimento da doença em quem tem fatores de risco.

Essa é a base da psicossomática: nenhuma reação do organismo ocorre por acaso, há uma série de conjunções que a influência. Um quadro emocional mais tenso desencadeia a produção de hormônios e isso altera os níveis glicêmicos, no caso do diabetes, da mesma forma que poderia atingir outras áreas – como a cardíaca, por exemplo, levando a um infarto.

“Não existe diabetes emocional. A doença pode, sim, ser desencadeada por um problema de ordem psíquica, porém, somente em quem apresenta condições para isso, quer dizer, alguma predisposição genética”, explica Marcos Tambascia, professor de endocrinologia da Unicamp e presidente da SBD.

O aconselhamento de longo prazo do paciente com o seu médico pode ajudá-lo a encarar os problemas que estão na origem da depressão. Juntos, é possível encontrar formas de melhorar a saúde mental do paciente, o que vai ajudar a gerir eficientemente o diabetes.

Diabetes gestacional

O diabetes gestacional ocorre durante a gravidez e está relacionado a mudanças hormonais que podem afetar a ação da insulina.

É crucial monitorar e controlar os níveis de glicose para prevenir complicações, como danos aos rins, olhos, nervos e vasos sanguíneos. O tratamento envolve frequentemente modificações na dieta, exercícios físicos, medicamentos e, em alguns casos, a administração de insulina.

Para entender mais sobre diabetes e outras condições relacionadas à saúde, continue acompanhando nosso blog Prodiet, onde buscamos fornecer informações fundamentadas e acessíveis.

Outros tipos de diabetes

Desvendamos a Diabetes Emocional!

Ao explorarmos a intricada relação entre emoções e diabetes, ficou claro que a chamada “diabetes emocional” não encontra respaldo na ciência. Entretanto, essa jornada nos permitiu compreender como o estado emocional pode influenciar os níveis de glicose e a saúde de maneira geral.

O estresse, por exemplo, não é apenas uma resposta emocional, mas também um fator que pode afetar significativamente a regulação do açúcar no sangue. Compreender essas conexões é crucial para um manejo holístico da saúde.

Ao finalizar esta exploração, convido você a continuar a busca pelo entendimento do seu próprio bem-estar. 

Na Prodiet, a linha DIAMAX oferece não apenas produtos, mas uma abordagem completa para o controle glicêmico com sabor e praticidade. Nutrição equilibrada aliada a informações confiáveis são os pilares para uma vida saudável.

Gostou? Compartilhe:

plugins premium WordPress
Conversar pelo WhatsApp
Prodiet em Casa
Olá 👋
Precisando de ajuda?
Conte com o Prodiet em Casa!
Pular para o conteúdo Seraphinite AcceleratorOptimized by Seraphinite Accelerator
Turns on site high speed to be attractive for people and search engines.