Pesquisar
Close this search box.

Indicações da Dieta Enteral: quando é preciso introduzir a TNE

10/03/2023

Neste artigo, embarcaremos em uma jornada de conhecimento científico para entender as nuances das indicações da Terapia Nutricional Enteral (TNE) e descobrir quando essa intervenção se torna necessária. 

A alimentação enteral é uma abordagem terapêutica crucial que visa fornecer suporte nutricional eficaz em situações em que a ingestão oral não é viável ou insuficiente para atender às necessidades nutricionais do paciente. Como profissionais de saúde, compreender as indicações precisas para a introdução da TNE é essencial para promover a recuperação e o bem-estar dos pacientes de maneira eficaz. 

Preparados? Então, vamos juntos explorar as fundamentações científicas que sustentam as indicações da TNE, desvendando o porquê, quando e como introduzir essa terapia nutricional essencial. 

Continue a leitura para aprofundar seu entendimento e enriquecer sua atuação clínica! 

Quais as indicações para o uso da dieta enteral?

A utilização da dieta enteral, ou terapia nutricional enteral (TNE), é uma intervenção fundamental em diversas condições clínicas que afetam a capacidade de ingestão oral e a adequada nutrição dos pacientes. Baseada em sólidos fundamentos científicos, a TNE desafia os desafios nutricionais impostos por doenças variadas, auxiliando na manutenção ou recuperação da saúde. 

Indicações Gastrointestinais e Nutricionais

Em pacientes com distúrbios gastrointestinais, como doença inflamatória intestinal, obstruções ou distúrbios de absorção, a dieta enteral é frequentemente indicada para suprir as necessidades nutricionais, minimizando o risco de desnutrição. A TNE também é recomendada quando a ingestão oral é limitada devido à intolerância alimentar, disfagia ou outras condições que prejudicam a mastigação e deglutição. 

Suporte em Condições Neurológicas e Oncológicas

Doenças neurológicas, como acidente vascular cerebral (AVC), lesões cerebrais traumáticas ou neurodegenerativas, muitas vezes resultam em dificuldades na alimentação oral. A dieta enteral oferece uma abordagem nutricional vital para manter a saúde em pacientes com essas condições. No contexto oncológico, a TNE auxilia pacientes que passam por tratamentos agressivos, como quimioterapia e radioterapia, os quais podem comprometer a ingestão e absorção de nutrientes. 

Reabilitação e Recuperação Pós-Operatória

A dieta enteral desempenha um papel significativo na reabilitação e recuperação pós-operatória, fornecendo os nutrientes essenciais para a cicatrização de feridas, manutenção da massa muscular e prevenção da perda de peso excessiva. É frequentemente utilizada em pacientes submetidos a cirurgias gastrointestinais, cardíacas ou outras intervenções cirúrgicas. 

Complexidades Metabólicas e Cuidados Intensivos

Em casos de distúrbios metabólicos, como diabetes, doenças hepáticas ou distúrbios do ciclo da ureia, a dieta enteral é uma ferramenta valiosa para fornecer nutrientes adaptados às necessidades do paciente. Em unidades de terapia intensiva, onde o estado nutricional é frequentemente comprometido, a TNE é uma opção para manter a oferta calórica e nutricional adequada. 

Abordagem Multidisciplinar e Personalizada

A indicação da dieta enteral deve ser avaliada individualmente, levando em consideração a condição médica do paciente, a tolerância gastrointestinal, a necessidade energética e nutricional, bem como a presença de fatores como idade, comorbidades e objetivos de tratamento. A decisão deve ser tomada por uma equipe multidisciplinar, incluindo médicos, nutricionistas, enfermeiros e outros profissionais de saúde. 

A dieta enteral, portanto, desempenha um papel vital em suprir as necessidades nutricionais de pacientes com uma ampla gama de condições clínicas, garantindo que a saúde e o bem-estar sejam mantidos ou restaurados. A abordagem personalizada na indicação da TNE é crucial para proporcionar a melhor assistência aos pacientes. 

Quais as enfermidades associadas à Nutrição Enteral?

A utilização da nutrição enteral como parte integrante da terapia nutricional é uma abordagem valiosa em diversas condições clínicas. Ela oferece suporte nutricional essencial para pacientes que enfrentam desafios alimentares devido a várias enfermidades. Vamos explorar as principais enfermidades associadas à nutrição enteral, examinando como essa abordagem terapêutica desempenha um papel crucial no manejo clínico de pacientes. 

Doenças Gastrointestinais e Desordens de Absorção

Pacientes com doenças gastrointestinais, como doença inflamatória intestinal (DII), doença de Crohn, colite ulcerativa e síndrome do intestino curto, frequentemente enfrentam dificuldades na absorção adequada de nutrientes. A nutrição enteral é uma abordagem eficaz para suprir as necessidades nutricionais desses pacientes, garantindo que os nutrientes essenciais sejam fornecidos de maneira adequada. 

Comprometimentos Neurológicos

Condições neurológicas, como acidente vascular cerebral (AVC), lesões cerebrais traumáticas, esclerose múltipla e doença de Parkinson, podem impactar significativamente a ingestão oral e a capacidade de alimentação adequada. A nutrição enteral é frequentemente prescrita para garantir que os pacientes recebam os nutrientes necessários para manter a saúde e a função cerebral. 

Oncologia e Terapias Agressivas

Pacientes submetidos a tratamentos oncológicos, como quimioterapia e radioterapia, podem experimentar efeitos colaterais que afetam a ingestão alimentar. A nutrição enteral desempenha um papel vital no fornecimento de nutrientes, apoio imunológico e manutenção do estado nutricional durante esses períodos desafiadores. 

Condições Metabólicas e Distúrbios Hereditários

Distúrbios metabólicos, como fenilcetonúria, acidúria glutárica e homocistinúria, podem exigir abordagens dietéticas específicas. A nutrição enteral é uma opção importante para fornecer nutrientes controlados e adaptados às necessidades dos pacientes com essas condições. 

Recuperação Pós-Operatória e Traumatismos

Após cirurgias ou traumas, o corpo requer uma oferta adequada de nutrientes para cicatrização de feridas, reparo de tecidos e recuperação geral. A nutrição enteral desempenha um papel crucial na promoção da recuperação e na prevenção da perda excessiva de peso. 

A nutrição enteral é uma ferramenta valiosa no manejo de diversas enfermidades, oferecendo suporte nutricional essencial para pacientes que enfrentam desafios alimentares devido a condições clínicas variadas.  

Quando iniciar a TNE?

Como já falamos anteriormente, a decisão de iniciar a Terapia de Nutrição Enteral (TNE) é um passo importante no cuidado de pacientes com diferentes condições clínicas. A TNE é indicada quando a ingestão oral de nutrientes não é suficiente para atender às necessidades nutricionais do paciente, seja devido a dificuldades de mastigação, deglutição, incapacidade de absorção ou demanda aumentada de nutrientes. Vamos explorar os cenários em que a TNE é recomendada, fornecendo informações fundamentadas e baseadas em evidências. 

Desnutrição ou Risco Nutricional

A TNE é frequentemente considerada quando um paciente está desnutrido ou apresenta risco nutricional significativo. A avaliação nutricional é crucial nesse contexto, considerando indicadores como perda de peso não intencional, índice de massa corporal (IMC) abaixo do normal, albumina sérica reduzida e diminuição da ingestão alimentar. A TNE pode ser iniciada para reverter a desnutrição e promover a recuperação nutricional. 

Incapacidade de Ingestão Oral Adequada

Pacientes com condições que comprometem a ingestão oral, como câncer de cabeça e pescoço, lesões neurológicas ou distúrbios da deglutição, muitas vezes não conseguem atender às suas necessidades nutricionais por via oral. A TNE é uma solução para garantir que esses pacientes recebam os nutrientes necessários para manter a saúde e a funcionalidade. 

Recuperação Pós-Operatória

Após cirurgias gastrointestinais, cardíacas ou outras cirurgias de grande porte, a TNE pode ser iniciada para fornecer nutrientes essenciais durante o período de recuperação. Isso é especialmente importante quando a alimentação oral é restrita devido a procedimentos cirúrgicos ou complicações. 

Síndrome do Intestino Curto

Pacientes com síndrome do intestino curto, devido a ressecções intestinais significativas, podem enfrentar dificuldades na absorção adequada de nutrientes. A TNE é uma estratégia eficaz para suprir as necessidades nutricionais desses pacientes, permitindo que eles mantenham um estado nutricional adequado. 

Doenças Crônicas e Debilitantes

Condições crônicas, como doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), insuficiência cardíaca congestiva (ICC) e doença renal crônica (DRC), podem levar a necessidades nutricionais aumentadas devido à inflamação crônica, perda de apetite e demanda energética elevada. A TNE pode ser considerada para garantir que essas necessidades sejam atendidas e que o paciente tenha melhor qualidade de vida. 

A decisão de iniciar a TNE deve ser tomada com base em avaliações clínicas e nutricionais detalhadas. É essencial considerar a condição clínica do paciente, as necessidades nutricionais específicas e a capacidade de ingestão oral. A TNE desempenha um papel crucial no fornecimento de nutrientes e suporte para pacientes em diferentes situações clínicas, melhorando a saúde e a qualidade de vida. 

Existem contraindicações?

Assim como em qualquer intervenção clínica, existem situações em que a TNE pode ser contraindicada ou requer cuidados especiais. Vamos explorar as principais contraindicações da TNE: 

Disfunções Graves do Trato Gastrointestinal

Pacientes com disfunções graves do trato gastrointestinal, como perfurações intestinais não controladas, obstruções intestinais não resolvidas e fístulas de alto débito, podem ter dificuldades em tolerar a TNE. Nestes casos, a ingestão de nutrientes através da alimentação enteral pode agravar a condição do paciente ou interferir na recuperação. 

Choque Hemodinâmico ou Instabilidade Hemodinâmica

Pacientes em estado de choque hemodinâmico ou com instabilidade cardiovascular significativa podem não ser candidatos ideais para a TNE. O redirecionamento do fluxo sanguíneo para o trato gastrointestinal pode piorar a instabilidade hemodinâmica e comprometer o suprimento adequado de sangue aos órgãos vitais. 

Obstrução Gastrointestinal Não Resolvida

Pacientes com obstrução gastrointestinal não resolvida, mesmo que parcial, podem apresentar risco de complicações graves ao receber a TNE. A passagem inadequada de alimentos enterais através do trato obstruído pode levar a distensão abdominal, dor intensa e até mesmo perfuração. 

Falência Intestinal Aguda

Em casos de falência intestinal aguda, onde a absorção de nutrientes é gravemente comprometida, a TNE pode não ser eficaz e até mesmo contraindicada. Nestes cenários, outras opções de suporte nutricional, como a nutrição parenteral, podem ser mais apropriadas. 

Reações Alérgicas Graves

Pacientes com histórico de reações alérgicas graves aos componentes das fórmulas enterais podem não ser bons candidatos para a TNE. É essencial revisar cuidadosamente os ingredientes das fórmulas para garantir que não haja risco de desencadear reações alérgicas graves. 

É fundamental que profissionais de saúde avaliem individualmente cada paciente e considerem as contra indicações potenciais antes de iniciar a TNE. A avaliação cuidadosa das condições clínicas, histórico médico e exames relevantes é essencial para tomar decisões informadas e seguras. Lembrando que a TNE pode ser uma ferramenta valiosa em muitos cenários clínicos, mas a segurança do paciente é sempre a prioridade máxima. 

 

Quais são as vias de acesso da Nutrição Enteral?

As diferentes vias de acesso da nutrição enteral permitem a administração segura e eficaz de nutrientes diretamente no trato gastrointestinal, garantindo a absorção e o aproveitamento adequado dos nutrientes. Vamos explorar as principais vias de acesso da nutrição enteral: 

Sonda Nasogástrica

A sonda nasogástrica é inserida através de uma narina, passando pelo esôfago e chegando ao estômago. É uma opção de acesso temporário utilizada para fornecer suporte nutricional a curto prazo. É importante posicionar a sonda corretamente para evitar complicações como refluxo e aspiração. Essa via é indicada em situações em que a capacidade de deglutição está temporariamente comprometida, como pós-operatório ou lesões traumáticas. 

Sonda Nasoduodenal e Nasojejunal (Nasoenteral)

As sondas nasoduodenal e nasojejunal também são inseridas através de uma narina, mas são avançadas até o duodeno ou jejuno. Essas vias são utilizadas quando há risco de refluxo gastroesofágico ou quando se deseja evitar a aspiração pulmonar. São indicadas em pacientes que têm risco aumentado de broncoaspiração, como aqueles com distúrbios neuromusculares ou doenças neurológicas. 

Gastrostomia

A gastrostomia é uma via de acesso mais permanente, onde um tubo é inserido diretamente no estômago através da parede abdominal. Existem diferentes tipos de gastrostomias, como a gastrostomia endoscópica percutânea (PEG) e a gastrostomia cirúrgica. Essa via é indicada para pacientes que precisam de suporte nutricional prolongado e têm dificuldade em se alimentar pela boca. É especialmente útil em casos de disfagia grave, câncer de cabeça e pescoço e doenças neuromusculares. 

Jejunostomia

A jejunostomia é uma via de acesso direto ao jejuno, a parte do intestino delgado logo após o estômago. Essa via é utilizada quando há risco de aspiração do conteúdo gástrico, como em casos de refluxo grave ou quando o estômago precisa ser desviado por alguma razão. É indicada em pacientes com alto risco de aspiração, distúrbios do esvaziamento gástrico e complicações pós-cirúrgicas. 

A escolha da via de acesso da nutrição enteral depende das necessidades clínicas e das condições do paciente. Profissionais de saúde devem avaliar cuidadosamente cada caso e considerar fatores como risco de aspiração, estado de saúde geral e preferências do paciente.  

Desfrute da Inovação em Nutrição Enteral com o Kit Dose Única

Esperamos que tenha adquirido insights valiosos para aprimorar o cuidado de seus pacientes e proporcionar suporte nutricional de qualidade. 

Agora, queremos apresentar a você uma solução inovadora que pode revolucionar a forma como você administra a Nutrição Enteral: o Kit Dose Única. Composto pelo Trophic Dose Única, Mobitube e Adaptador Enplus, este kit oferece praticidade, mobilidade e qualidade nutricional excepcionais. 

Imagine a conveniência de administrar a Nutrição Enteral com um sistema que dispensa o uso de frascos, não necessita de refrigeração antes de ser aberto e possui a quantidade ideal para uma refeição completa. Com o Trophic Dose Única, você estará proporcionando aos seus pacientes uma experiência alimentar mais confortável e livre de complicações. 

O Mobitube e o Adaptador Enplus são peças fundamentais desse kit. O Mobitube é um suporte flexível que oferece conforto e estabilidade, enquanto o Adaptador Enplus garante a conexão perfeita entre o Trophic Dose Única e a sonda dentro do ambiente hospitalar. 

Estamos comprometidos em oferecer soluções que simplifiquem e aprimorem o cuidado nutricional. O Kit Dose Única é mais um exemplo de como a Prodiet busca atender às necessidades dos profissionais de saúde e dos pacientes de forma inovadora e eficaz. 

Convidamos você a conhecer mais sobre o Kit Dose Única e experimentar a diferença que ele pode fazer na administração da Nutrição Enteral. Visite nosso site para obter mais informações e explore as possibilidades que essa solução pode trazer para o seu dia a dia clínico. 

Gostou? Compartilhe:

plugins premium WordPress
Conversar pelo WhatsApp
Prodiet em Casa
Olá 👋
Precisando de ajuda?
Conte com o Prodiet em Casa!
Pular para o conteúdo